Terminei de ler… A Assustadora História da Medicina

DSC00939.JPG
O livro de Richard Gordon cria um dilema para quem se propõe a fazer uma resenha. Se te aconselhar a ler, terei de dizer que vai precisar de um bocado de paciência pra chegar até o final. Se te disser para não ler, terei de arcar com o custo do tanto de coisas importantes, interessantes ou só curiosas que você vai deixar de aprender.
“A história da Medicina é uma longa substituição da ignorância pela falácia” começa a contra-capa. O livro pretende ser bem humorado, mas talvez por seu autor ser Inglês, o humor recheado de sarcasmo e que ironiza violentamente os médicos, é parecido com os filmes do Monty Python, em que muitas vezes ficamos com a sensação de que fomos os únicos que não entenderam a piada.
Uma outra razão é a tradução, que eu tenho certeza que está ruim (já que a outra opção é autor, editor e revisor serem muito incompetentes) e contribui para que alguns parágrafos simplesmente fiquem sem sentido.
Finalmente, há uma enorme quantidade de nomes de pessoas, de locais e obras literárias e artísticas, além de muitas datas, e mais nomes, e mais lugares, e mais datas. Isso não seria necessariamente um problema, mas como não é um livro longo, desses que a gente usa pra consulta, esses dados são só ilustrativos, mas só ilustram alguma coisa pra quem já conhece todas essas citações. Para nós, meros mortais, muitos deles pouco significam e nenhum contribui realmente para a compreensão do texto. Veja um exemplo (e nem é dos piores):
“A afirmação de Darwin de que Sir Thomas Browne havia sugerido, no seu Religio Mediei, que o Gênesis não era tão confiável quanto os horários das estradas de ferro vitorianas foi considerada uma afronta da ciência à Igreja. A discussão chegou ao auge em 30 de junho de 1860, entre os soluços e desmaios das senhoras, no Museu da Universidade, ao lado de Parks, em Oxford.”
O livro é um prato cheio de argumentos para calar a boca dos insuportáveis alunos do primeiro ano de medicina, cuja arrogância do “olhem como sou bom e sei muito mais que vocês”, acaba por contaminar até o sarcástico autor do livro.
Mas, se não ler, não vai saber as fofocas de doentes famosos, como os reis de França e Inglaterra, e seus médicos bem intencionados, mas totalmente incapazes (simplesmente porque não havia tratamento). Nem como apareceram doenças como escorbuto, gota, malária e sífilis; ou como desapareceram tuberculose e varíola. Nem as incríveis histórias de como foram inventada a vacina e a anestesia ou como a sulfa e a penicilina ajudaram a ganhar a guerra.
E, tantas vezes com linguagem simples, direta e divertida, como quando fala da homeopatia e outras ‘medicinas alternativas’:
“É realmente seguro para mim procurar uma pessoa sem qualificação para a medicina?”, pergunta o guia ricamente ilustrado da saúde alternativa. E responde: “Fico tentado a sugerir que faça a você mesmo outra pergunta, em lugar dessa: ‘Será seguro procurar o meu médico?’ Os medicamentos atuais são tão poderosos que se alguma coisa sair errada, os efeitos do remédio podem ser piores do que a doença. Resumindo, a medicina natural é mais segura simplesmente porque não confia tanto nos medicamentos artificiais. Minha nossa!
Se você está doente, precisa de tratamento científico. As únicas doenças que os “curandeiros” curam são as que seus clientes imaginativos não têm.
A relação da medicina com o charlatanismo é a mesma da astronomia com a astrologia. O que as estrelas predizem para os leitores de jornais é inofensivo, mas o lançamento de um ônibus espacial ou de um satélite, orientado pela astrologia, ao invés da astronomia, seria desastroso.

A decisão é sua!

Discussão - 7 comentários

  1. Chloe disse:

    Olá Mauro,
    vou guardar a dica!
    gosto bastante de livros que falam de medicina.
    estou lendo ‘Mesmer: a ciência negada e os textos escondidos’ – Paulo Henrique de Figueiredo.
    é um livro sobre o surgimento do magnetismo.
    fala muito sobre a medicina de uma forma geral (de Hipocrates ao sec XIX).
    tratamentos heróicos, homeopatia, alopatia, fluidos, etc…
    estou achando bem interessante, uma visão diferente de doença, tratamento e cura.
    abç. ; )
    C.

  2. ju disse:

    “Para nós, meros mortais, muitos deles pouco significam”. Porra, Mauro!
    Se vc que é PHD se classifica como mero mortal no que tange conhecimentos médico-científicos, medo de mim, hahaha
    Mas fiquei com vontade de ler esse livro. Bacana isso no blog de posts sobre suas leituras. Bj

  3. Mauro Rebelo disse:

    Pô Ju, quando vi que você tinha marcado uma frase do texto fiquei logo com medo de ser um erro de português 😉 Eu te empresto o livro, mas tem que prometer que não vai ler no carnaval 😉

  4. Ju disse:

    Pô, quanto a isso você pode ficar tranquilo que no carnaval acho que o máximo que eu leio é bula de remédio, haha.
    Hj saiu uma matéria no Segundo Caderno do Globo, o Beto Brant vai filmar o “Eu receberia as piores notícias…”
    Bom carnaval pra genteee ! Bjs

  5. Rui disse:

    Eu li esse livro há um bom tempo atrás, e uma das frases que me marcou foi que, até a invenção dos anestésicos, um cirurgião bom era um cirurgião rápido. Bem, pra explicar melhor, até relativamente pouco tempo atrás, a maior parte das cirurgias eram amputações.
    Enfim, acho que meu senso de humor é diferente, eu achei o livro “divertido”, assim como entendo (ou acho que entendo) as piadas do Monty Python..
    Recomendo ambos.

  6. hevynho disse:

    Muito bom sua resenha sobre o livro…. Eu vou ler!!

  7. Willy Fog disse:

    Legal essa resenha aí cara!
    .
    Estou terminando de ler o livro e muitas vezes fiquei com aquela sensação que vc falou aí, de ler a piada e não entender p….. nenhuma. No mais achei o livro divertivo.
    .
    Abcs

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM