Diário de um biólogo – segunda, 13/02/2012 – Assembléia

Chego em casa e como um pacote de amendoins. É segunda-feira e a maldita piscina está fechada (ela passa mais tempo fechada do que aberta, apesar do quanto deve custar ao condomínio) e eu estou cansado demais para correr. Recorro ao amendoin, me controlando para não abrir uma cerveja. Não resisto, pego mais um pacote de amendoins e abro uma cerveja.

Sai de uma reunião de 4 horas com o corpo docente da pós-graduação do Instituto de Biofísica da UFRJ. Uma reunião longa e tensa.

“Somos um curso de pós-graduação grande, que fez a opção de se manter multidisciplinar enquanto outros se fragmentaram criando cursos com diferentes níveis de qualidade” disse a coordenadora.

Sabe quando uma empresa grande quebra, por má administração, e ai se transforma em duas, uma com a parte boa pra ser vendida e outra com a parte ruim que acaba falída na conta de algum credor (em geral o governo)? Mais ou menos a mesma coisa. Colocam o Filet mignon de laboratórios, orientadores e orientados em um curso nota 7 (a nota máxima conferida pela CAPES) e deixam os outros em cursos 5, 4, 3… Uma vergonha!

“Nossas atividades diversificadas contam muito como critério de qualidade, o diferencial para que um curso nota 5 se torne um curso nota 6 ou 7. Mas para que um curso se torne 5, ele precisa atender alguns critérios de quantidade…”

Tudo é dose… já falei sobre isso aqui! Qualidade demais te dá pouca quantidade. Quantidade demais, te dá pouca qualidade. Mas como qualidade é subjetivo, então… temos um grande problema.

“Precisamos que nossos docentes publiquem mais, precisamos também que eles publiquem em revistas melhores. E precisamos ainda que nossos alunos sejam autores. Mas temos cada vez menos alunos se inscrevendo na pós-graduação e cada vez menos sendo aprovados nos processos seletivos.”

Até aqui, apesar das notícias não serem boas, eu não estava me preocupando. Eu conseguia identificar claramente o problema que, verdade seja dita, já se anunciava no horizonte.

O problema é que nem todo mundo vê o problema do mesmo jeito.

“Se sua unica ferramenta é um martelo, você tende a ver todo problema como um prego” disse Abraham Maslow.

Isso ficou muito claro hoje com relação as propostas que foram apresentadas. Elas não solucionavam efetivamente os problemas, mas eram as ferramentas que estavam a disposição. Só que… NÃO ADIANTA! O problema não vai desaparecer por causa da nossa boa vontade em resolvê-lo!

Eu sou um cara prático. Tive que aprender a ser prático, porque sempre gostei de conviver em meio aos grandes. E os grande… bem, eles tem muito pouca tolerância com os pequenos. Então se aprende a ouvir muito e falar pouco, a saber distinguir entre o que é viável e o que não é, e, principalmente, quais lutas enfrentar e quais lutas abandonar. É verdade que nunca se sabe o suficiente sobre isso, mas acho aprendi muito. E hoje vi que aprendi mais do que muitos dos grandes que eu achava que tinham a ensinar.

Mas falar sobre o conflito de gerações hoje seria justamente perder o aspecto prático da discussão. Ele existe, está lá, e desejar que ele não estivesse é pouco prático: o conflito de gerações continuará lá! Eu deveria aprender a lidar com ele. A questão, é que isso não é prático também.

Eu não sou comunista. Também não sou capitalista. Não sou a favor da tirania, mas também não sou a favor da democracia. Eu só acredito nas ‘Estratégias Evolutivamente Estáveis’ (sobre as quais eu já falei aqui). Podemos discutir amplamente um problema em busca de idéias, mas não em busca de consenso! Consenso é muito bonito na teoria, mas na prática é muito mais difícil do que almeja a nossa vã humanidade, e mesmo quando ele é possível, em geral chega tarde demais.

“Quando se tenta resolver um problema técnico de forma política, muitas vezes acabamos com dois problemas: o técnico que não foi resolvido e o político que foi criado”. A frase (algo parecido com isso) é de Phillip Howard, autor do livro ‘A morte do bom senso’, sobre o qual eu já falei aqui.

Me desespero, primeiro com as opiniões das pessoas que, em princípio, deveriam saber mais do que eu;  mas depois me desespera simplesmente o fato das opiniões serem tantas e tão variadas que é óbvio que o consenso é impossível. E ainda que as pessoas concordassem quanto ao problema, ainda restaria estabelecer as prioridades. E nunca… nunca, jamais, em tempo algum, haverá consenso quanto as prioridades.

É preciso uma mudança radical de olhar, é preciso inovação, é preciso pensar ‘outside the box’, é preciso coragem! A solução depende de algumas outras coisas, mas basicamente do que se está disposto a abrir mão e do quanto estamos dispóstos a nos comprometer com a solução do problema.

E foi ai que eu me toquei… e que o desespero se abateu sobre mim.

Não tem solução! Vivemos em um país que tolera a corrupção de tal maneira, que crianças são aprovadas automaticamente nas escolas para criar indicies de escolaridade que beneficiem os governantes. Se algo tão deplorável é aceito pelos políticos, e pela sociedade, que esperança podemos ter que os valores das bolsas de pós-graduação serão revistos? Minha aluna de IC ganha menos que um pedinte no sinal, minha aluna de mestrado menos que minha faxineira e meu aluno de doutorado menos que meu porteiro! Que esperança podemos ter do problema das importações ser resolvido? De termos alojamento, transporte e alimentação decentes para os alunos que vem (do e) de fora do Rio?

Não, a universidade é engessada demais para poder resolver esses problemas. A solução terá de vir de outro lugar. Não sei ainda que lugar é.

Discussão - 7 comentários

  1. Thiago Britto Borges disse:

    Estão bem legais os seus links com textos antigos, Mauro, parabéns. Esse tipo de coerência, “coerência de vida”, uma forma é bem complicada e bem interessante, continue a luta por favor, pensar diferente já é um começo, tentar diferente já é a alguma chance de conseguir algo diferente.

  2. Leonardo Gedraite disse:

    Mauro Grande Post.
    Sério, tenho sentido isso cada vez mais na academia – eu ainda estou no time dos pequenos (bem pequenos na verdade, estou acabando o mestrado) mas a situação na academia é essa mesmo, e não vai mudar.
    Andei repensando minha vida e estou temporariamente saindo da academia, justamente por um dos motivos que você falou: Na pós você é cobrado cada vez mais a fazer um trabalho de excelente qualidade, sem ter as ferramentas e se virando. No processo ainda recebe uma miséria.
    O fato é que hj esperam que um pós-graduando entre no programa já tendo um projeto bom, sabendo o que fazer (inclui desenho experimental, estatística,etc…) e sendo auto-suficiente (ou seja tentando se virar pra aprender o que der em 3 ou 4 disciplinas condensadas de uma ou duas semanas).
    Eu só sei que cansei do trabalho escravo, gosto de ciência mas quero fazer ciência e viver e não viver para fazer ciência

  3. Ronan disse:

    Conhecí agora. Muito bom seu blog.
    Quanto a possível valorização de bolsas por exemplo, o pensamento do governo é o contrário: Em vez de valorizar a educação básica, e depois a superior, valoriza-se a superior mais que a básica. Se puderem aumentar investimentos em aluno de IC ou pós, só depois valorizarão a educação básica, de onde o IC é oriundo. Querem casa forte de alicerce fraco. E nos dois casos, como a educação só tem efeito a longo prazo, não rende votos (até hoje) e não é, definitivamente, plano de Estado (talvez de [des]Governo).

  4. Felipe disse:

    Muito bom o texto e a reflexão Mauro. Também não vejo solução para tal problema. Na realidade não vejo nem a possibilidade de solução. O que noto é que a cada ano a pressão aumenta e a qualidade do processo de formação cai. Fazer ciência e discutir ciência parecem ter ficado para segundo plano.
    é a era do “publish or perish” definindo os rumos.

  5. Daniel Falkoski disse:

    Ahhhh o desespero…esse companheiro inseparável!!!

  6. […] essa visão simplista de biólogo que muita gente ainda tem. Há problemas na carreira? Há – mas qual carreira não tem, me […]

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM