Izquierda ou direita?

Na sexta feira fui assistir uma palestra da Sonia Rodrigues na FIOCRUZ sobre escrita criativa. Já assisti essa oficina muitas vezes e hoje sou um entusiasta da qualificação de leitura. Acho que é um caminho para que alunos de graduação e PG escrevam melhor e se tornem melhores pesquisadores.

Ela inventou um método para ‘liberar’ a mente do vício da interpretação na hora de escrever baseado na retórica Aristótélica e em outros modelos de narrativa descobertos na Roma antiga e testados ao longo dos últimos 25 séculos por caras como Shakespeare. E por mais gente suficiente para que um pesquisador da platéia, especialista em alguma coisa mas certamente leigo em muitas outras, não se sinta credenciado para criticar tão facilmente.

Em um momento, havia um texto de 54 palavras sendo projetado. O texto era inconclusivo, mas repito, em 54 palavras, dizia quem, quando, onde e criava uma situação onde era inevitável um conflito. Como a platéia teve dificuldade de identificar esses elementos, algumas pessoas começaram a dizer que o texto estava mal escrito. Bem, o texto era de Monteiro Lobato, o primeiro parágrafo do primeiro capítulo de Robin Hood, sobre o qual o ilustre escritor infantil, discorre depois 300 páginas.

Ainda sem saber disso, um pesquisador pede a palavra e critica tudo: forma e conteúdo, palestra e palestrante. Ele prossegue citando, pelo menos 3 autores que desqualificariam a apresentação (e com isso Aristóteles, Shakespeare e Monteiro Lobato, pelo menos).

Mas ele ainda citou os ‘memes‘ de Richard Dawkins para falar da importância da cultura e de como o conhecimento se perpetua; e o neurocientista Ivan Izquierdo, para dizer que o contexto criado pela dissertação era fundamental para que o conteúdo da narrativa fosse fixado pela memória

A Sonia respondeu as críticas muito bem e ficou tudo esclarecido, mas grande parte do tempo da palestra se perdera nesse processo: a discussão do procedimento e do conteúdo adotado por uma pessoa que já foi avaliada em todas as instâncias acadêmicas possíveis, autora de mais de 20 livros, que estava ali convidada pelo coordenador da pós-graduação e com um auditório cheio para ouvi-la. Ele foi deselegante e me fez perder meu tempo, simplesmente porque não estava ali para escuta-lo.

E de quebra, ele fez pelo menos duas intervenções incorretas: os ‘memes’ são uma grande besteira que Richard Dawkins, apesar de grande nome da biolgia evolutiva (muitas vezes citado nesse blog), escreveu. O que se comprova por nenhum outro autor ter discutido seriamente essa ‘teoria da comunicação baseada na seleção natural’. A outra, é que o contexto seria assim, tão importante, na formação da memória. O que o cientista argentino radicado no Brasil Ivan Izquierdo diz, e eu o assisti ainda no mês passado na conferência de encerramento da FeSBE, é que o MEDO e não qualquer outro contexto, auxiliam na fixação da memória.

Houve debate sobre a impostura do pesquisador após a palestra. E como em todo caso, opiniões prós e contra. Mas como um amigo levantou, o ambiente acadêmico é muito corporativista, e dificilmente teríamos um pesquisador criticando avidamente outro (mesmo que fossem inimigos)
durante uma palestra. O cara exagerou!

Esse mesmo amigo ainda perguntou: “porque nós cientistas, especialmente quando se trata de área social/humanas, nos achamos credenciados para discutir mesmo com uma base teórica pobre?”

Eu acho que a resposta é uma só: vaidade.

O cientista, em geral, só usa a inteligência para se vangloriar, já que dinheiro, é muito mais difícil de conseguir nessa profissão. É da inteligênicia que ele tira seu prestígio. Mas isso não é credencial. Repito o horóscopo: “você pode ter muitas opiniões, mas isso não significa que saiba muita coisa”. Como a própria Sonia diz, “o brasileiro intelectualóide é pseudo erudito e de meia cultura.”

Meu amigo, com dois artigos na Nature e coordenador do maior curso de pós-graduação da FIOCRUZ, chegou a tentar vestir a carapuça e se incluir nesse grupo de ‘intelectualóides’. É verdade que ele é metido a entender de vinhos, mais do quer realmente entende. Mas confesso que eu também sou. E que mesmo assim, ele entende mais de vinhos do que eu. Mas será que nos encaixamos nesse grupo? Acho que não. Pelo menos não consigo me ver, ou vê-lo, levantando no meio de uma palestra do sobre os Pinot Noir da Borgonha, e discutindo com o autor com base em 1 (um) artigo que ele leu na Wine Expectator.

Acho que existe diferença em ter um ponto de vista diferente e ficar ‘procurando’ um ponto de vista diferente pra poder pedir a palavra e falar, mais de uma vez, por mais de 20 min. E sem manifestar sequer uma idéia original sua. Pecou pela vaidade.

Para dar só as impressões superficiais dele sobre o tema, ele devia ter um blog.

Discussão - 10 comentários

  1. Mauro Rebelo disse:

    Foi mal gente, durante algumas horas o texto ficou no ar inacabado, com algumas frases sem sentido e com erros de português (ainda maiores). Já consertei. Um abraço,

  2. João Carlos disse:

    Poxa, Mauro!… Faz um extrato deste post e põe lá no Roda de Ciência. Se eles deixam eu postar mais de um artigo sobre o mesmo assunto, com muito mais razão, você!Depois, eu volto a comentar…

  3. João Carlos disse:

    Agora que você fez o que eu pedi (muito obrigado!), eu posso comentar em “off” que adorei o link que você me mandou para o Blog da Sônia Rodrigues e apreciei seu comentário.Triste foi ver que outros participantes da mesma conferência tomaram o partido oposto…Se nem no meio acadêmico as “boas maneiras” são mais respeitadas, isso é um péssimo indício. Robert Heinlein costumava repetir que a “falta de boas maneiras” é o primeiro indício da “queda” de uma sociedade.

  4. Sonia disse:

    Talvez eu não devesse me sentir à vontade comentando um artigo seu que cita (e defende) minha prática profissional, mas como blog é um dos poucos territórios livres que nos restam em nossa sociedade especializada e regulamentada venho aqui dizer que, na minha avaliação, você é um escritor. Seu texto é o texto de quem tem coragem para se expor, necessidade de partilhar convicções, destemor para criticar o que lhe parece incorreto ou prejudicial ao que é essencial para você. Além de ser claro, consistente, preciso, com multiplicidade de conexões, rápido. Apesar de prolixo em algumas poucas ocasiões . O5, tenho certeza de que você não vai cochilar e não vai nos deixar explodir.Pronto. Acabo de quebrar a minha premissa de trabalho. Dei um parecer “digrátis” sobre o texto alheio. Nunca se deve dar grátis o que custa caro para conseguir. É a melhor maneira de perder um amigo. Mas a tentação foi demais. E Oscar Wilde dizia que a única maneira de vencer a tentação é ceder a ela.

  5. Mauro Rebelo disse:

    João,Eu tenho dificuldade para diferenciar essas ‘boas maneiras’ do que eu chamei de ‘corporativismo’. Mas esse é um problema que eu tenho que resolver. Daqueles que ‘dá trabalho’, mas é bom que seja assim. Porque no fundo sei que não são a mesma coisa e porque você está certo, principalmente no meio acadêmico não podemos perder as boas maneiras. Um abraço,

  6. Mauro Rebelo disse:

    Sonia,Acho que você pode pensar que não está sendo a parecerista, mas sim a professora. A professora que elogiou expontaneamente (com x do meu sotaque carioca) o seu aluno. O que só torna mais lisonjeiro o seu comentário. Aprendi muito, e em pouco tempo, com você. Obrigado! Tomara que a Izabel Aleixo concorde com você 😉 Beijo,

  7. Shridhar Jayanthi disse:

    (Estou lendo seus posts que eu deixei de ler nas minhas “férias”…)Por um lado, eu concordo com o que vc diz: buscar picuinha ou pseudo-picuinha numa palestra para aparecer é realmente algo intelectulóide (eu prefiro usar o termo desonestidade intelectual). Por outro lado, eu tenho vivido uma experiência curiosa de trabalhar com interdisciplinaridade de uma forma meio agressiva – tente imaginar um engenheiro elétrico frequentando reuniões de bioquímica e genética… em geral eu não consigo entender muitas coisas (particularmente porque vcs fazem e pensam nas coisas do jeito que vcs pensam) mas isso não significa que as minhas opiniões seja desprovidas de valor.O importante é termos humildade; devemos saber que quando entramos num universo do conhecimento do qual não somos nativos é como visitar a casa de outra pessoa. Não dá pra botar o pé na mesinha da sala e falar que a cortina do cara é feia. Acho que essa deferência que devemos ter é uma coisa diferente do corporativismo, essa sim uma característica pseudo-intelectual.

  8. polidori disse:

    Eu pesquizei sobre o ivan izquierda no google e vim parar aqui.Me citaram ele numa tal pesquiza com a memória e tal… Ainda não achei o que queria…Bom, mas estou comentando porque achei interessante isto da vaidade e da gente querer meio que impor uma idéia. Eu acho que a realidade está além do que podemos achar ou deixar de achar… Então, quem está certo? Não sei, mas deixa o palestrante falar!!! heheheIsso aí

  9. luiz charbel disse:

    esquerda lógico .a direita que produziu o capitalismo e o neo liberalismo está se suicidando e levando o planeta para o mesmo caminho.

  10. luiz charbel da ilha de guarujá disse:

    direita defende o meio ambiente….esquerda volver

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM