Para que precisamos de biomarcadores?

malcheiroso_180344_2143.jpg

“Quando o dano está feito, até um tolo pode percebê-lo.”

Não canso de repetir essa frase de Homero. Especialmente para mim mesmo.
Ela me faz lembrar uma outra frase, mas essa eu não sei quem disse: “Se nosso cérebro fosse simples a ponto de podermos compreendê-lo, jamais conseguiríamos compreendê-lo”
Que por sua vez me leva a palestra do Richard Dawkins no TED “Queerer than we can suppose. The strangeness of Science” ou “Mais esquisito do que nós podemos supor. A estranheza da ciência”, que vocês não podem perder.
Ele, por sua vez, estava citando J.B.S. Haldane, que uma vez disse “The universe is not only queerer than we suppose but queerer than we can suppose.” (“O universo não é apenas mais esquisito do que supomos, é mais esquisíto do que podemos supor”)
Eita, já escrevi 4 citações a até agora não disse ao que vim. Espero que não tenham se cansado e ido embora.
Veja, os ecotoxicologistas, mas acredito que também os ecólogos e os toxicologistas, ainda não se convenceram disto. De nada disso! Parece que quanto mais complexo tornarmos o problema, quanto menos pessoas puderem compreendê-lo, quanto mais equipamentos caros precisarmos para avaliar o problema, melhor é o problema.
Não é, ou não deveria ser, assim.
Robert Aumman diz que a compreensão é um fenômeno complexo, mas que usa 3 elementos: relação, abrangência (unidade) e simplicidade. Para compreendermos alguma coisa, precisamos ser capazes de relacioná-la com outras, que nos são familiares. Ela precisa ser aplicável em várias situações, quanto mais situações, melhor será a nossa compreensão. E finalmente, ela precisa ser simples!
Mas nem tudo é, ou pode ser, simples.
A teoria da gravitação universal é simples. Massa, distância e BUM! Você tem a gravidade. Mas esses tais de biomarcadores… gente… que coisa complicada! Eu trabalho com eles, há muitos anos, e são tão poucos os que podemos dizer que realmente entendemos.
Quer dizer, entendemos os mecanismos. A biologia molecular (quando aquelas letrinhas ACGT do DNA viram uma proteína) e entendemos a bioquímica (quando todas aquelas proteínas fazem alguma tarefa em um ciclo ou processo), mas quando tentamos entender PORQUE ou PARA QUE elas fazem isso ou aquilo… o problema fica complicado demais.
Já tentou entender porque uma garota é capaz de passar horas e horas em uma loja de sapatos? Ou um cara horas e horas discutindo sobre carros? É a mesma complicação: não dá pra entender!
Por favor, não me entendam mal, eu sei que DNAs e proteínas não fazem nada com razão ou propósito. Usei os termos mais no sentido de ‘causa’ e ‘consequencia’. Porém, mesmo essas coisas complicadas, que talvez jamais consigamos entender ou prever, acabam levando a coisa que podemos observar mais facilmente: um sintoma de doença, um cheiro ruim de esgoto no rio.
Não precisa de pós-doutorado. É tão fácil que até um tolo percebe. E é isso que a palestra do Dawkins fala. Nosso cérebro foi desenhado (no sentido de evoluiu) para compreender fenômenos do mundo visível, audível e palpável. E para tomar decisões levando em consideração muitas variáveis, medindo a importância de cada uma delas em diferentes contextos, algumas vezes de forma inconsciente, e em outras, levando em conta parâmetros emocionais (não-racionais). As coisas continuam sendo complicadas, mas em algumas escalas, ordens de grandeza, nosso cérebro está equipado para compreendê-las.
Acho que a escala dos biomarcadores de poluição não é uma delas. Se você coloca peixes em um rio contaminado com esgoto e depois de meses de análises, milhares de reais, horas de trabalho, análises químicas e estatísticas, tudo consegue concluir é que aquele rio estava contaminado com esgoto, então existe algum problema ai.
A questão é: se os biomarcadores só forem tão bons quanto nossos olhos e narizes, porém muito mais caros e trabalhosos, então fiquemos com os olhos e narizes!
Começo a acreditar que não poderemos, nunca, nem mesmo com os ‘omics’, explicar os complexos mecanismos através dos quais os efeito de mudanças climáticas, os antigos contaminantes que ainda estão presentes (como DDTs, PCBs e HPAs), os novos contaminantes como as nanopartículas e os fármacos, associados a variantes genéticas entre espécies e indivíduos, estágios do desenvolvimento, idade, gênero, doenças e acrescidos da presença de parasitos e influência de variações ambientais; prever o que vai levar um organismo a desenvolver um tumor e outro não, após uma exposição no ambiente.
Acho que como ecotoxicologistas, estamos fadados a sermos os tolos que explicam depois, com um nível de detalhamento sem precedentes na história, o dano logo depois dele acontecer.

Discussão - 2 comentários

  1. Pierre disse:

    Ótimas considerações, já havia pensado em algo assim, já que penso em partir para o trabalho nessa área. Existem perguntas reais que justifiquem esse trabalho e esforço? Ainda estou pensando.
    E sobre os tolos que falam o óbvio depois de acontecido, me lembrei de um episódio de South Park (temporada 14, ep. 11), sobre derramamento de petróleo, com a participação do “Captain Hindsight”, que tem o incrível poder de dizer o que está errado depois que o estrago tá feito…

  2. Mauro Rebelo disse:

    Mal terminei de escrever o texto e recebi a resposta de um e-mail para a minha amiga Dra. Malin Celander, que argumentou brilhantemente em prol dos biomarcadores. “Mauro, pode ser que nós, ecotoxicologistas, não precisemos mais dos biomarcadores. Mas quando a industria de papel e celulose argumentou, contra todas as evidências de olhos e narizes que seus efluentes não poluiam os lagos escandinavos, foram os biomarcadores que convenceram a justiça que sim, havia dano nos peixes”. É verdade que meu argumento continua válido. Antes tolo a posteriori do que espertinho a priori.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM