Um bom ano

Almoço de final de ano do lab 2009
Sempre escrevo uma mensagem de final de ano com algum aspecto científico da virada.
Mas quando papai noel se antecipou um pouco, e ao invés de deixar o meu presente no dia 25 de manhã deixou no dia 23, eu percebi que esse foi um bom ano. Então resolvi fazer um balanço. (Também resolvi fazer um jantar de comemoração com os alunos do lab, que arrasaram 4,5 kg de tomates; 1kg de massa; 0,5 kg de parmeggiano e 3 garrafas de vinho – fora os cantuccini – e eu tive sorte de sobrarem os pratos e copos – acima).
O resultado da bolsa de produtividade fui um acalento e também o reconhecimento de um esforço que já dura muitos, muitos anos. Mas voltando a 2009, conseguimos comprar uma máquina de PCR quantititativo que certamente dará um salto na produtividade e na qualidade do trabalho do laboratório que, esse ano, também é nosso. Depois de um ano e meio de processo nos tornamos um laboratório independente, o Laboratório Intermediário de Biologia Molecular ambiental. Alunos entraram no mestrado, no doutorado e outros defenderam tese. Nos aventuramos de forma bem sucedida no mundo empresarial e agora temos uma empresa de biotecnologia que contribuirá para a que possamos aplicar ciência e criar inovação para a sociedade. Unificamos as disciplinas de Biofísica para a Biologia da UFRJ e no final do ano iniciamos novo projeto de educação a distância. O Bioletim está ganhando uma nova roupagem e o Você que é Biólogo… entrou pro Scienceblogs.
O trabalho não foi pouco, mas, mais uma vez, me levou a lugares incríveis, como um congresso em Bordeaux na França (PRIMO XV) e outro em Arraial do Cabo (II EWCLiPo), além de tantas outras cidades onde o mais importante são os amigos que tenho chance de rever.
Escrevo um blog, toco sax numa banda e aprendo francês. Claro que não dá pra fazer isso tudo com dedicação e afinco, mas aqui me permito um pouco de superficialidade, porque ela me relaxa. Se não fosse assim, não conseguiria ter lido o monte de livros que li e bebido todos os bons vinhos que bebi.
Quando penso nesse bom ano, vejo que ele é resultado de um esforço meu, mas que seria impensável, ou improdutivo, se não tivesse a rede de apoio que tenho. Começando pela minha família. Acredito que tenha sido um ano especialmente difícil, individualmente, para todos eles. Mas ainda assim conseguem manter o encontro e a alegria do encontro.
No nosso país, é muito difícil se tornar um cientista sozinho. Seja pelo investimento que requer, seja pela dedicação. Ainda me lembro da 4a feira, 11h da noite, quando o telefone (fixo) tocou e era a Flávia dizendo que ouvira que o resultado do vestibular da UFRJ tinha sido liberado e sairia no dia seguinte, mas meu pai levou a gente pra redação do Jornal dos Esportes, onde ficamos sabendo em primeira mão que tínhamos sido aprovados. Não sei se dá pra dizer que começou ali minha carreira de cientista, mas certamente foi um marco.
Apesar de eu ser provavelmente o único em casa que possa dizer que foi um bom ano, e que não teria sido um bom ano sem eles, tenho certeza que esse é mais um motivo de felicidade para essas pessoas maravilhosas e que me permitem fazer de tudo. Obrigado a vocês!
Bons anos fazem boas safras. Em 2010 espero poder fazer mais por eles e tenho certeza que continuaremos fazendo muita coisa juntos.
Um bom ano para todos!

Uma bolsa e um porta-lápis

É justa a preocupação do ministro da educação com a mal distribuição das bolsas de pos graduação no Brasil. Uma breve analise do site do CNPq mostra que no ano de 2000, 60% das bolsas e do fomento a pesquisa se concentram no sudeste, enquanto na região norte, por exemplo, o percentual é de 2,5 %. Em 2001 a CAPES titulou, na área de ciências biológicas, 987 mestres e 599 doutores na região sudeste, enquanto na norte foram 61 mestre e 29 doutores.

Seria justa também a preocupação do ministro com relação a falta de aumento nas bolsas de pós-graduandos nos últimos 10 anos.

Em recente resposta da CAPES ao manifesto entregue ao presidente Luis Inácio pelos Pós-graduandos, a culpa foi colocada no restrições econômicas as quais estão submetidos os diferentes ministérios.

O problema das bolsas de pos graduação no pais é o mesmo de tantas outras políticas: a falta de uma política a longo prazo.

Em 2001 o lançamento do programa Profix do CNPq chamou a atenção de muitos recém doutores. No entanto o numero de bolsas ainda foi muito aquém das necessidades causada pela interrupação dos programas anteriores de recém doutor e fixação das agencias. O resultado foi uma enxurrada de pedidos, também muito concentrados no sudeste

A pós graduação no Brasil cresceu nos últimos 20 anos e com ela a produção cientifica do pais, que entrou no seleto grupo dos 20 paises responsáveis por mais de 1% da produçÃo cientifica mundial. Mesmo com a redução do fomento a pesquisa, o numero de bolsas se manteve ou aumentou. A produção cresceu se apoiando no esforço desses jovens cientistas.

Existem programas de iniciação cientifica e de jovens talentos que levam jovens estudantes para dentro dos laboratórios das universidades e abrem as portas para um mundo de pesquisa que é muito sedutor. No entanto, as agencias parecem esquecer que esses vão virar alunos de mestrado e doutorado, vão precisar de reagentes, saídas de campo, instrumentação, discussão em congressos, publicação de dados em revistas, comprar livros, assistir aulas sem que falte luz, realizar experimentos em laboratórios onde não falte água.

Como dizia a música do Casseta e Planeta, “Se aqui é assim, imagine na Jamaica”. Mesmo com um sistema de pesquisa saturado, é melhor se apertar em um laboratório montado do sudeste, em uma universidade com professores doutorados que ainda tem chance de participar pelo menos uma vez por ano em um congresso internacional (finaciando do seu próprio bolso ou com dinheiro de agencias internacionais) do que ir pra uma universidade nova, onde não existem equipamentos ou uma “massa crítica” que possibilite a produção científica e a construção do conhecimento.

Enquanto o governo achar que vai conseguir levar jovens doutores formados no exterior ou no sudeste para pequenas universidades do norte e nordeste apenas com uma maior oferta de bolsas, a única coisa que vai conseguir é aumentar a competição por um menor numero de bolas no sudeste. Uma passagem do Rio de Janeiro até Porto velho custa mais que uma viagem a Europa. Isso quer dizer que um pesquisador não poderia visitar sua família. Que o frete de material cientifico que já é problemático no sul e sudeste seria desastroso. No Acre as estradas ficam submersas 6 meses por ano por causa das cheias dos Rios. Ainda é melhor lutar contra a falta de água e luz e dinheiro na UFRJ do que na UNIR.

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM