Ativismo Científico

marcela_celebrando banner

Mais de 5.000 exibições do vídeo, mais de 3.000 “curti” no facebook, mais de 350 doadores, mais de R$ 40.000 arrecadados em 60 dias. Com a participação da galera, da Bio Bureau, da Ikzus e do Canal Asas, superamos a nossa meta e vamos fazer o genoma do mexilhão dourado!

Primeiros ou não, o nosso Crowdfunding Científico foi um sucesso! Mobilizou a mídia mais do que poderíamos imaginar (veja as reportagens no final da página) e trouxe a tona a invasão do mexilhão dourado, uma catástrofe há mais de 10 anos nos nossos ambientes aquáticos. Estamos orgulhosos da nossa iniciativa, mas ainda há muito o que fazer.

Me surpreendeu, no entanto, a indignação de muitas pessoas quando viram o projeto:

“É um absurdo que o governo não financie essa pesquisa!”;

“Tem dinheiro pra Copa mas não pra ciência!”;

 “Esse é o retrato da ciência no Brasil!”

O brasileiro é um povo muito solidário. Mas talvez por não ter uma população rica, essa solidariedade não tenha se consolidado em uma cultura de doação financeira forte, como acontece nos EUA e outros países do mundo. Acaba parecendo estranho pedir doações. Como se fosse pedir caridade. Quase mendigar.

A principal motivação da nossa iniciativa não foi financeira e a importância dela transcende os R$40.000 que pedimos.

O finaciamento de C&T no Brasil existe. Nossa linha de pesquisa com o mexilhão já foi financiada pelo MMA (2007) e CNPq (2010) em outras ocasiões. A verdade é que não se faz pesquisa, em nenhum lugar do mundo, sem financiamento governamental pesado. Nosso laboratório nunca teria sido montado sem os muitos editais, principalmente da FAPERJ, que nos apoiaram ao longo dos últimos 10 anos.

Mas também é verdade que o financiamento de C&T no Brasil é disperso e inconstante, o que deixa um espaço enorme para novas iniciativas, como o uso do crowdfunding, para financiar ciência. E prestem atenção no que eu digo: o crowdfunding científico vai se tornar uma estratégia fundamental para a ciência brasileira. Um modelo criativo para estimular a produção de inovação no Brasil.

Mais do que os R$ 40.000, queriamos mobilizar da população para um projeto científico. E também nisso, o sucesso foi absoluto! Estagiários, colaboradores, trabalhadores voluntários, patrocinadores, reporteres, fãs… todos eles apareceram.

Nossa base de doadores fala mais do que o brasileiro pensa da ciência do que as pesquisas de opinião do MCT, porque não é só a opinião: é o fato! As pessoas querem se associar a pesquisas científicas e estão até dispostas a contribuir financeiramente para isso.

De fato, existe interesse pela ciência. Só precisamos de mais ativismo científico.

Que eu garanto para vocês, não vai faltar.

Crowdfunding do Genoma do Mexilhão Dourado na Mídia:
  • Revista Galileu
    http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI339200-17770,00-CROWDFUNDING+FINANCIA+PROJETO+CIENTIFICO+PELA+PRIMEIRA+VEZ+NO+BRASIL.html
  • Giovana Girardi no Estado de São Paulo.
     http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,biologos-fazem-vaquinha-para-decifrar-genoma-do-mexilhao-dourado,1040012,0.htm
  • 'Internautas ‘versus’ invasor cascudo' na Ciência Hoje
     http://cienciahoje.uol.com.br/noticias/2013/06/internautas-2018versus2019-invasor-cascudo
  • Crowdfunding Científico é “revolucionário” no Jornal da Ciência
     http://www.jornaldaciencia.org.br/impresso/JC737.pdf
  • Crowdfunding Científico no Jornal O Globo!
     http://oglobo.globo.com/ciencia/ciencia-brasileira-estreia-no-financiamento-coletivo-8255561
  • Cientistas arrecadam dinheiro para desvendar DNA no G1
     http://g1.globo.com/natureza/noticia/2013/04/cientistas-arrecadam-dinheiro-na-web-para-decifrar-dna-de-mexilhao-invasor.html
  • Financiamento coletivo ajuda o desenvolvimento de projetos no país na Globo News:
     http://globotv.globo.com/globo-news/jornal-das-dez/t/todos-os-videos/v/financiamento-coletivo-ajuda-desenvolvimento-de-projetos-no-pais/2538668/
  • Quer batizar um gene? no Site Planeta Sustentável:
     http://planetasustentavel.abril.com.br/blog/blog-da-redacao/quer-batizar-uma-proteina-ou-um-gene-e-so-investir-no-genoma-do-mexilhao-dourado/
  • Quer batizar um gene? no Blog a revista Super Interessante:
     http://super.abril.com.br/blogs/planeta/quer-batizar-uma-proteina-ou-um-gene-e-so-investir-no-genoma-do-mexilhao-dourado/

Força é igual a massa vezes a aceleração

No início do ano visitei a usina hidroelétrica binacional de Itaipu. Um dos projetos de pesquisa que participo envolve uma espécie de mexilhão invasora. O mexilhão dourado (Limnoperna fortunei). O que é uma espécie invasora, vocês vão perguntar?

Esses mexilhões são originários da China e chegaram pelas nossas bandas (mais precisamente no Rio da Prata em 1991 e na Lagoa dos Patos em 1998) transportados na água de lastro dos navios cargueiros. Imaginem, um navio parte do porto de Xangai para vir ao Brasil e levar soja de volta para os chineses. Mas se ele não estiver carregado com mercadorias, precisa se encher de água, a água de lastro, para equilibrar seu peso e, literalmente, não quebrar no meio quando estiver navegando. Ai, quando chega no porto de Rio Grande, o navio joga na Lagoa dos Patos a água do Rio Yangtze, cheia de larvas de mexilhões dourados (e outros bichos).

Sem predadores naturais, esses animais se desenvolvem enormemente nas nossas águas e criam toda sorte de prejuízos a embarcações, estações de tratamento de água, usinas hidroelétricas, sem contar as espécies locais de bivalves e a vegetação das margens.


Bom, mas voltando ao assunto, em Itaipu tem mexilhão dourado e ainda que isso (ainda) não represente um problema econômico pra eles, essa foi a razão da minha visita. Porém, quando chegamos lá, os mexilhões são o que menos chama atenção. É uma obra monumental. Liguei pro meu pai, e ele, engenheiro, ficava até emocionado de falar de uma obra tão imponente.

Não é para menos. Em 1982 a barragem represou o Rio Paraná, inundando uma região de 1.350 km2 e com mais de 200 km de extensão. Tudo bem, eles tiveram de inundar “Sete quedas” mas eu senti menos esse baque porque era pequeno demais. Mas me lembro até hoje da noite em que o Jornal Nacional mostrou as comportas se fechando as cachoeiras pela última vez.


Enquanto estavamos lá, o Rio Paraná, em uma cheia atípica, precisava ser escoado. Por isso, as comportas do lado esquerdo da barragem estavam abertas. A água saindo pelo chamado ‘vertedouro’ tem uma força impressionante. Tão grande que acabaria, simplesmente, escavando o leito do rio, que fica 180 m abaixo da linha d’água do reservatório, se despencasse direto lá de cima. Então a água desce por um tipo de escorrega, sendo lançada no ar pra dissipar toda a sua energia, antes de continuar seu caminho rio abaixo. Não deu pra entender direito? Dá uma olhada nas fotos e no filminho que eu fiz.

Mas toda essa introdução foi para dizer apenas um parágrafo. O que me emocionou, ou melhor, me assustou, ou melhor ainda, me comoveu de forma assustadora, foi ver a força da água descendo pelo vertedouro. A Força da Natureza, lado a lado com o enorme esforço de engenharia para conte-la. O vácuo que se forma na base do escorrega, capaz de arrancar os capacetes de nossas cabeças (como no filme), o rugido da água, a velocidade… é como se a água dissesse:

– Não esqueça que eu estou aqui!

A fera foi contida, mas não foi domada. É um equilibrio delicado. E quando venta, venta forte!

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM