O Mapa da Mina

mapa_mina_575957_63820450

Eu descobri o CMAPs quase por acaso. Nesse mundo saturado de informação, a gente tem que dar um pouco de sorte de estar no lugar certo, na hora certa, quando alguém fala alguma coisa nova e interessante que você ainda não sabe.

No meu caso isso foi uma reunião no MEC sobre O MOODLE, há muitos anos, quando uma professora da Federal de Santa Catarina, Roseli Zen, falou dos mapas conceituais e do CMAP. Além de tudo, Rose é uma simpatia.

Um tempo depois, coordenando um curso de formação de professores a distância, foi a vez de entrar em contato com outra rosa, Rosita Edler, psicóloga que sabe tudo de educação e me ensinou tanta coisa. Ela e suas meninas escreveram um capítulo espetacular (Como eles aprendem, como podemos ensinar) no livro que lançaremos (algum dia) sobre EAD, falando de mapas conceituais.

A beleza dos mapas é, como quase sempre, sua simplicidade. Conceitos são organizados hierarquicamente e interconectados por ações e relações. Simples, não é? O problema está em identificar corretamente o que é um conceito, para poder identificar quais conceitos você quer utilizar e depois quais são as relações entre eles. É ai que nós, professores experientes, descobrimos que, na verdade, fazemos uma aula centrada em nós, em como nós aprendemos, e não no contéudo e na melhor forma de passar ele para os alunos.

Tem muita, muita, muita literatura sobre mapas conceituais. Mas eu ainda não encontrei um conjunto tão bom quanto o disponível no site do Institute for Human and Machine Cognition que tem um artigo espetacular sobre o que são mapas conceituais e um software também incrível para criá-los. É esse o kit básico que todo aluno que quer trabalhar comigo em atividades didáticas deve acessar e ler.

Membrana e Comunicação Celular - fase 2.cmap

Mapas conceituais são uma tremenda ferramenta para dar mais consistência a qualquer disciplina que você queira ensinar. E como tudo, para que fique bom, precisa de energia. Dá trabalho. Mas o tesouro nunca tá na superfície, tem que escavar. Só é mais fácil com o mapa.

Discussão - 1 comentário

  1. Cara, usei o CMAP por algum tempo, fiz algumas simulações, mas empaquei.
    Primeiro empaquei porque realmente dá bastante trabalho. Já gastei tardeis inteiras pra montar algo razoavelmente simples em termos de conteúdo, mas o resultado foi bom.
    Segundo empaquei porque acho que não encontrei a fórmula mágica para trabalhar esses mapas em sala de aula. Algumas turmas lograram bastante resultado montando seus mapas, mas sempre que a turma era mais desuniforme o resultado era péssimo.
    Vou ler um pouco mais e comento aqui os resultados.
    OBS: O segundo link que colocou no texto (do IHMC) está quebrado, mas achei no google. Abraços.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Skip to content

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM